Desafios e oportunidades do reconhecimento facial em caixas eletrônicos

Por Matheus Neto, gerente de soluções de hardware da Diebold Nixdorf

Salvador, 24/01/2023 – As grandes metrópoles estão diante de novos desafios de segurança para mitigar a ação de criminosos. Um dos temas em estudo é o uso de soluções de reconhecimento facial em caixas eletrônicos (ATM) e em terminais de autoatendimento para inserir mais uma camada de segurança, indo além da proteção por meio de digitais e da biometria da palma da mão. A busca pela identificação do cliente e de novas maneiras de evitar fraudes deve expandir o mercado de reconhecimento facial, movimentando anualmente mais de US$ 3,8 bilhões.

A tecnologia tende a ser rapidamente implementada porque as fraudes financeiras são um grave problema global e esse cenário parece ser ainda mais crítico no Brasil, onde mais de 30% dos brasileiros afirmaram ter sofrido algum tipo de golpe relacionado a cartões de crédito. Esse número cai drasticamente em outras grandes economias internacionais como Alemanha (7%) e Estados Unidos (18%).

Se somarmos todos os tipos de golpes aplicados no sistema financeiro nacional, o prejuízo passa da absurda cifra de R$ 2,5 bilhões ao ano e as estimativas indicam para um aumento ainda maior nos próximos anos, caso novas tecnologias de proteção não sejam amplamente adotadas. Por isso, o mercado anseia por novas soluções como os módulos especiais de detecção, que podem ser instalados em caixas eletrônicos (ou ATMs) para verificar imagens, comparar rostos a partir de certos parâmetros pré-definidos pelo banco, acessar base de dados hospedada em Nuvem e criar um conjunto de características específicas de cada cliente. Com a ajuda de Inteligência Artificial (IA) e Machine Learning (ML) ainda é possível estabelecer certos hábitos para identificar, inclusive, atividades que fogem do padrão. Eventuais transações só correm se esses parâmetros forem verificados, começando pela imagem do cliente.

Os sistemas de reconhecimento facial podem complementar os meios de reconhecimento biométrico e ajudar instituições financeiras a implementarem novas tecnologias para aumento de segurança, inclusive em complementariedade às tecnologias utilizadas nos celulares. Já existem soluções de leitura facial aptas para serem utilizadas em qualquer terminal de autoatendimento equipado com câmera de vídeo. Muito em breve, teremos câmeras acompanhando toda a nossa jornada como clientes para verificar se realmente somos nós que estamos efetuando as transações ou se um terceiro está tentando roubar nossas economias.

A inteligência dos novos sistemas é capaz de ir além do período de utilização dos terminais, possibilitando que os bancos consigam programar para que os caixas eletrônicos desativem a tela de acesso imediatamente após o uso, evitando que oportunistas consigam usar o caixa eletrônico depois que o cliente sai da frente da máquina. Por outro lado, caso a face esteja coberta com uma máscara ou um boné, por exemplo, procedimentos adicionais podem ser programados para serem implementados. Começando pelo bloqueio do caixa eletrônico, até o alerta para autoridades sobre cartões roubados ou clonados, as possibilidades de segurança a serem aplicadas para proteger os clientes e as instituições bancárias são inúmeras, inclusive bloquear o terminal para evitar ataques lógicos de grande proporção aplicados por cibercriminosos.

Os dados da leitura facial também conseguem ser usados para cenários mais complexos. A partir de uma única foto é possível localizar todas as transações realizadas para verificar e autenticar os clientes e agilizar o atendimento na mesma velocidade que eventuais bloqueios podem ser feitos de forma automática, sem interferência de humanos no gerenciamento. Assim, o acesso aos serviços é feito de forma rápida, segura e muito mais conveniente do que os métodos tradicionais de autenticação.

O uso de uma tecnologia de leitura facial para identificação é ainda mais fortalecido quando é feito com outros recursos adicionais de proteção. Atualmente, o software de verificação facial está à altura da tarefa de fornecer taxas de correspondência importantes para apoiar os clientes durante suas transações financeiras em caixas eletrônicos. Adicionar sistemas de leitura facial ao processo de confirmação de identidade usado nesses equipamentos fortalecerá a relação dos clientes com os caixas eletrônicos, pois possibilitará a instalação dessas máquinas em mais lugares, já que oferece mais segurança. Como novas técnicas que deverão surgir nos próximos anos no campo da Inteligência Artificial (IA), a eficiência na leitura facial durante as operações financeiras em ATMs estará cada vez mais presente em nosso cotidiano e agregará proteção a clientes e suas respectivas instituições financeiras.

A identificação facial pode ser extremamente útil, também, para resolver um outro problema cada vez mais comum: a pressa das pessoas no momento de sacar dinheiro nos terminais e, ainda, possibilita uma iteração sem contato, dependendo da implementação. A proteção depende de todos, mas felizmente a tecnologia está evoluindo cada vez mais rápido para nos ajudar nessa jornada de proteção.

Últimas notícias