Avanade apoia maior programa de pesquisa sobre Esclerose Lateral Amiotrófica

Salvador, 17/12/2019 – A Avanade, o programa de pesquisa Answer ALS, um consórcio de centros de pesquisa médicos e mais 1000 pacientes que sofrem com Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA ou ALS na sigla em inglês), finalizaram a primeira fase de uma grande infraestrutura tecnológica, que pode ajudar na luta contra a doença. O projeto permitirá que pesquisadores médicos de todo o mundo colaborem com segurança na busca pelas causas da ELA e desenvolvam novos protocolos de tratamento.

A Answer ALS, coordenada pelo hospital John Hopkins e Robert Packard Center for ALS Research, nos Estados Unidos, é o maior programa de pesquisa contra a ELA. O objetivo é atingir altos níveis de analises biológicas, a partir da união de empresas de tecnologia que possibilitam ultrapassar os limites da computação em nuvem, Inteligência artificial (AI) e Machine Learning, em uma pesquisa de caráter mundial para conseguir novas respostas e tratamentos da doença.

O centro de pesquisa é um espaço colaborativo, que acumula uma grande quantidade de dados. A organização trabalhou com a Avanade e parceiros de tecnologia para construir uma extensa base dados e pesquisas online, que não apenas pode acomodar trilhões de bits de informações, mas também é designado para incorporar a inteligência artificial, além de informações adicionais conforme o projeto for evoluindo. Isso permitirá que a Answer ALS continue aproveitando as vantagens de novas tecnologias no decorrer do trabalho.

Uma parte importante da infraestrutura é um mecanismo de consulta de dados, desenvolvido pela Avanade como parte de sua iniciativa Technology for Social Good, que permite que os pesquisadores enviem uma consulta de pesquisa complicada e obtenham uma resposta em horas, em vez de dias ou semanas.

A Esclerose Lateral Amiotrófica, conhecida como ELA ou síndrome de Lou Gehrig, é uma doença autoimune que afeta o sistema nervoso e que retira a habilidade motora do paciente lentamente e, com sua progressão, acaba retirando a capacidade do paciente de respirar. Pesquisadores estimam que existem ao menos 400.000 portadores da ELA no mundo. Quase 5.600 pessoas são diagnosticadas com a doença todos os anos.

“Hoje em dia nós compreendemos muito melhor as funções celulares do nosso organismo”, diz Emily Baxi, Ph.D., diretora executiva do Robert Packard Center for ALS Research. “Os pesquisadores da Answer ALS estão criando milhares de perfis de pacientes, construindo passo a passo a partir de múltiplas fontes de dados. Usando o poder da IA e do Machine Learning para integrar e analisar esses perfis, nós esperamos que a Answer ALS construa bases para descobrir os subgrupos de pacientes da ELA e identificar os tratamentos mais efetivos para cada caso”, conta.

Segundo a CEO da Avanade Pam Maynard, o propósito da empresa é criar tecnologias que geram impacto real na vida das pessoas. “E que maneira melhor de fazer isso do que ajudar a Answer ALS em sua pesquisa para tratamentos, ou até mesmo, na cura da ELA. Nossa equipe está animada e honrada em trabalhar com esse grupo inspirador de pesquisadores, parceiros de tecnologia e pacientes”

“Se nós quisermos ter um impacto em doenças aparentemente incuráveis como a ELA, Parkinson, Alzheimer e outras, coordenar e colaborar esforços apoiados na tecnologia é o melhor jeito de acelerar essas mudanças” contou o ex-jogador de futebol americano Steve Gleason, atualmente, um paciente que sofre da síndrome e que lidera o Team Gleason, uma fundação instrumental na formação da Answer ALS. “Nós não achamos uma resposta para a ELA ainda, mas estamos mais perto do que antes. Nosso trabalho com parceiros tecnológicos como a Avanade é uma das razões desse avanço.”

Últimas notícias